domingo, 22 de fevereiro de 2009

graxa ao cágado


Hoje presenteio-vos com pudim boca-doce: uma coisa que todos gostamos de comer e que é rapidamente confeccionada.
Coloque mais de duas pessoas reunidas e triture-as. Deixe-as meticulosamente migadinhas para que o posterior grau de adesão seja maior. Apimente a relação que cada grão de pessoa estabelece entre si: vai notar que vai surgir no ar uma nuance de conversações paralelas no qual um fulano diz que disse a uma Maria que ela tinha uma camisa bonita (no fundo a Maria tinha um buraco no suvaco). Tempere com (mais) más-línguas: o Manel vai dizer à Albertina que ela tem uns seios brancos bem apetitosos, a Albertina vai dizer à Joaquina que a mala dela rosa-choque ficava melhor se tivesse uma tira verde fluorescente. Deixe repousar este refogado e espere que o cágado apareça com uma carapaça tão brilhante que até ofusca de tanta graxa que lhe deram.
Sirva bem frio.


p.s. foi o meu pequeno desabafo.

3 comentários:

Jo. disse...

bem frio, como a vingança (?).

adorei este, e questiono-me onde arranjas sempre imagens correspondentes, igualmente interessantes! :o

Beatriz Cró disse...

sem palavras.

sabes bem (l)

Mintolita disse...

Sugestão: Acompanhe com hipocrisia.
Muito bom Cê. Muito bom.