terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Epíteto Específico

O livro de Biologia diz, mais ou menos, que um epíteto específico é um adjectivo que só pode ser utilizado quando acompanhado pelo nome do género. E mais, é em letra minúscula. (Isto falando de sistemática e nos grupos taxonómicos)
Então, e tu? Ou e eu? Eu tenho de ir atrás da rapariga mais sexy da minha escola, a seguir-lhe as manias e futilidades? E tu, tens de ir ao mesmo restaurante que toda aquela gente famosa que na realidade não conheces nem um bocadinho? Eu respondo: (a babar-me) Sim! Mas, apenas porque somos hipócritas e pouco salgados.
Farto-me de afogar na banheira, e tenho a certeza que tu também, os meus complexos de pobratanas e simplória. Hoje importa mais um sorriso rasgado com os dentres brancos e alinhados para uma revista qualquer do que um abraço apertado misturado com os suores dos corpos. É realmente e incrivel e injusto o facto de que se não atingires o limite X, não chegas nem a ser respeitado no mundo destas criaturas.
Falta-nos um bocadinho de um eu, às vezes. Grita mais alto que eles, espreita para todos os buracos da parede da tua rua, ri-te sozinho.
Eu valho mais do que três mil escudos para ser carimbada como sinal de pertença a fulado ou sicrano. Tu não?

3 comentários:

Anónimo disse...

Está giro. Deixe as drogas leves :P

Jo. disse...

adicionei porque te respeito. ;)

Mintolita disse...

Eu valho 7 mil escudos.
Adorei o restritivo.
*